Resenha: Renascença

Renascença

“Renascença” começa passando a ideia de um excelente livro, com um enredo sensacional.

É contada a história de um jovem chamado Ezio Auditore, que vive na Florença do final do século XV. Ele é um rapaz despreocupado e com um futuro certo em frente quando, repentinamente, graças a uma reviravolta política, seu pai e seus dois irmãos são injustamente julgados culpados de traição e mortos em praça pública.

A Ezio cabe, então, arquitetar uma vingança contra os que assassinaram sua família e cuidar da mãe e da irmã. Para tanto, ele busca o auxílio do seu tio Mario, que mora numa cidade vizinha, e se junta à antiga Ordem dos Assassinos, a qual seu pai fizera parte.

Esse é um enredo interessante, mesclado ao ambiente renascentista e a presença ilustre de alguns personagens históricos, como Leonardo da Vinci, dá ao livro uma agradável expectativa.

Entretanto, com pouco mais de cinqüenta páginas, percebi que o autor, Oliver Bowden, ainda que excelente criador de histórias, não é tão bom contador.

Faltam sutilezas na narrativa. Primeiramente, ela é muito corrida, o autor nos faz esperar por detalhes que nunca aparecem, como partes do treinamento de Ezio, um pouco sobre o que se sucede entre Ezio e Rosa, um pouco mais sobre os personagens secundários. Enfim, o leitor passa grande parte do livro se sentindo jogado em ocasiões que não são explicadas muito adequadamente, cercado de personagens que ele não conhece muito bem.

Além disso, o tempo também é deixado de lado na narrativa. Deparamo-nos, repentinamente, sem saber ao certo quanto tempo se passou entre um pedaço do livro e o seguinte – que muitas vezes sequer estão em capítulos separados.

Por fim, a evolução da personagem principal é fracamente descrita. Há um enfoque no quanto Ezio se transforma no começo e, depois, ao seu treinamento e evolução como Assassino, mas repentinamente ele congela e, no final, ele parece ser uma pessoa completamente mudada inesperadamente.

Enfim, um enredo fabuloso, mas com uma das piores narrativas que já li em toda a minha vida.

Especial: As Minhas Dez Séries Favoritas [Parte I]

Eu venho fazendo resenhas dos livros que leio como modo de indicá-los – e, preparem-se, em breve teremos The Mark of Athena e The Casual Vacancy–, mas percebi que nunca falei das minhas séries favoritas. Para ser sincera, essa não é uma ideia original, mas eu gostaria de fazer. Portanto, este post tem em vista indicar as dez minhas séries favoritas.

10. A Mediadora, Meg Cabot

Falar dos meus livros favoritos sem falar de Meg Cabot é impossível. Apesar de ela escrever um gênero o qual eu aprecio muito pouco, os livros dela me encantam pela força das personagens principais.

Nós nos encontramos pela primeira vez com Suzannah Simon, a protagonista, no momento ela chega ao estado da Califórnia após uma longa viagem desde Nova York com o objetivo de ir morar com sua mãe, seu novo padrasto e os três filhos dele – não muito carinhosamente apelidados de Dunga, Soneca e Mestre.

Suzannah tenta não demonstrar seu desagrado acerca de todas aquelas mudanças e apreciar a nova casa e o novo quarto, mas é uma tarefa difícil quando há uma pessoa sentada no banco logo ao lado da janela observando-a com interesse. É um rapaz muito bonito, mas o que incomoda Suzannah é o fato dele estar morto.

Acontece que, apesar da aparência relativamente normal, Suzannah possui um dom: a capacidade de ver, se comunicar e tocar em fantasmas. Ela é uma Mediadora e, como tal, tem o dever de ajudar as almas atormentadas a seguir em frente, mas não está muito certa se isso é realmente uma coisa boa.

A história da série A Mediadora conta como Suzannah conhece e aprende a confiar em Jesse, o fantasma de um rapaz bonitão que mora em seu quarto. Bem humorada e sarcástica, ela me introduziu na primeira e única história de fantasmas que não só consegui terminar de ler, mas também amei.

Recomendo a todos, mesmo aos meninos.

A série conta com seis livros:

1.      A Terra das Sombras
2.      O Arcano Nove
3.      Reunião
4.      A Hora Mais Sombria
5.      Assombrado
6.      Crepúsculo

 

9. As Crônicas de Artur, Bernard Cornwell

Eu me lembro da primeira vez em que eu li esta série. Fiquei bastante confusa porque era um livro sobre o rei Artur, mas eu não vi sinal do próprio por um bom tempo.

A série, na verdade, conta a história de Derfel Cadarn, um saxão que foi adotado pelo mago Merlin quando era muito jovem e acaba por se tornar um dos grandes chefes guerreiros sob o comando de Artur. Sendo Derfel um amigo próximo de Artur, o saxão acaba por contar a história dele ao contar a sua.

Mas o mais esquisito é o fato de que o autor procura ver a lenda sob um viés mais histórico. No começo da série, ele procura explicar as magias de Merlin e dá ao Artur uma função mais provável diante do período em que ele viveu: a de um grande comandante. Isso se perde, mais para o final, infelizmente.

Essa é uma série maravilhosa, apesar do estranhamento inicial. Sempre recomendei e sempre vou recomendar. Ela é composta por três volumes:

1.      O Rei do Inverno
2.      O Inimigo de Deus
3.      Excalibur

8. Ramsés, Christian Jacq

Ainda que ambas sejam séries de ficção histórica, Ramsés é o extremo oposto das Crônicas de Artur em um aspecto: enquanto a segunda trabalha uma lenda tentando inseri-la num contexto histórico plausível, a primeira é uma história sobre um evento histórico completamente distorcido em um ambiente mais fantástico e mais romântico.

A série, como o próprio nome diz, conta a história do grande faraó egípcio Ramsés II, considerado por muito o mais poderoso faraó que o Egito possuiu. Ela começa quando o jovem príncipe Ramsés tem dezesseis anos e termina no momento em que o velho monarca morre, aos 89 anos, dando fim a um dos reinados mais longos no Egito Antigo.

A história egípcia é sempre incerta porque os monarcas a moldavam conforme seus interesses e é muito complicado diferenciar o que foi inventado por eles do que de fato aconteceu. Mas o Christian Jacq não se preocupa com os fatos históricos, ele reconstrói a história egípcia sobre uma ótica totalmente fantástica.

Essa é uma das melhores ficções que já li em toda a minha vida, mas não recomendo para pessoas que buscam aprender um pouco mais sobre o Egito. Ainda que Christian Jacq seja um egiptólogo, não se pode confiar em absolutamente nenhuma informação um pouco mais profunda sobre a sociedade egípcia que o livro apresente.

A série possui cinco livros:

1.       O Filho da Luz
2.      O Templo de Milhões de Anos
3.      A Batalha de Kadesh
4.      A Dama de Abu-Simbel
5.      Sob a Acácia do Ocidente

7. O Ciclo da Herança, Christopher Paolini

Eu já falei sobre essa série por aqui e não acho que valha a pena repetir tudo. Falarei apenas que conta a história do jovem Cavaleiro de Dragão Eragon e seu dragão, a fêmea Saphira. Àqueles que não sabem sobre este livro, recomendo que leiam a resenha que escrevi.

Falar de Paolini é falar de magia, de emoção e aventura. Eu amo esta série porque ela provoca emoções fortes ao mesmo tempo em que te transporta para um mundo diferente. Amo o modo como o autor descreve as personagens e sua tragetória.

Eu recomendo muito para todos os fãs de literatura fantástica. São, no total, quatro volumes:

1.      Eragon
2.      Eldest
3.      Brisingr
4.      Herança

6. Darkover, Marion Zimmer Bradley

Bom, esta é uma das melhores séries de todos os tempos. Marion Zimmer Bradley é, de fato, uma das minhas escritoras favoritas, a qual eu devo muito do meu gosto pela leitura.

Darkover é um planeta localizado em um sistema solar muito distante da Terra. Ele é habitado por seres humanos muito semelhantes dos terráqueos – mais tarde, descobre-se que estes são descendentes de humanos que acabaram por chegar a Darkover acidentalmente durante uma expedição interestelar e se viram incapazes de retornar.

A Marion me introduziu a uma literatura fantástica mais adulta, mais séria. Os temas que ela trata em Darkover são surpreendentemente densos. A série se baseia na seguinte questão: como seria o choque entre uma cultura interestelar com uma similar à medieval?

Mais tarde, a pedido de seus leitores, a autora escreveu diversos livros que contam a história de Darkover antes da chegada dos terráqueos, mas a questão inicial fora a supracitada.

Marion Zimmer Bradley tem a melhor construção de personagens que já tive o prazer de ler. Ela também trata com toda a naturalidade temas que, para nós, são muito polêmicos, em especial a questão da homossexualidade.

Certos livros, como o meu favorito A Casa de Thendara, abordam questões tão profundas que me faziam parar o livro por alguns dias para pensar a respeito delas – algo quase inédito, tendo em vista que eu tenho muita ansiedade para descobrir o final.

A série possui mais de trinta volumes, mas aqui no Brasil foram publicados apenas dezessete, até onde eu sei. Estes, em ordem cronológica, são:

1.      A Chegada em Darkover
2.      A Rainha da Tempestade
3.      A Dama do Falcão
4.      Dois para Conquistar
5.      Os Herdeiros de Hammerfell
6.      A Corrente Partida
7.      A Espada Encantada
8.      A Torre Proibida
9.      A Casa de Thendara
10.  Cidade da Magia
11.  Estrela do Perigo
12.  O Sol Vermelho
13.  A Herança de Hastur
14.  Os Salvadores do Planeta
15.  O Exílio de Sharra
16.  Os Destruidores de Mundo
17.  Canção do Exílio

 

Muito bem, postarei a Parte II em breve. Até lá!

Resenha: Julieta Imortal

Hoje falarei a respeito do livro Julieta Imortal, escrito pela norte-americana Stacey Jay, no qual se conta a história do famoso romance shakespereano sob uma perspectiva muito moderna.

Na tragédia escrita pelo inglês William Shakespeare, Romeu Montecchio e Julieta Capuleto são dois jovens amantes cujas famílias são inimigas. Forçada a se casar com um homem que não amava, a jovem Julieta simula a própria morte para sua família de forma que pudesse ser livre para estar junto ao homem que amava. Entretanto, antes que pudesse ser avisado acerca do plano, Romeu tira a própria vida, e Julieta, ao receber a notícia da morte dele, suicida também.

No livro de Jay, contudo, Julieta não teria se matado, ela fora assassinada por Romeu, que se unira a um grupo de imortais denominado Mercenários cujo principal objetivo é instigar jovens amantes a matarem seus parceiros em troca da imortalidade.

Quando a jovem estava à beira da morte, entretanto, uma mulher conhecida como Enfermeira oferece à Julieta a oportunidade de se juntar ao grupo denominado Embaixadores da Luz, que está constantemente em busca de almas gêmeas para protegê-las até que estivessem livres da influência dos Mercenários. Em troca de uma vida imortal impedindo que jovens amantes sofram o mesmo destino que ela e Romeu, Julieta aceita a proposta. Durante os séculos seguintes, Romeu e Julieta se tornam inimigos.

A história começa quando Julieta se apossa do corpo de Ariel Dragland, setecentos anos depois de ter se tornado imortal. A possessão é uma forma do Mercenário ou do Embaixador estar no mundo físico, tornando possível a sua missão. Ao possuir o corpo de Ariel, Julieta mantém sua individualidade, mas passa a compartilhar memórias e sentimentos da jovem.

Um dos principais aspectos positivos deste livro é a habilidade da autora ao criar um enredo que englobe a história de vida de Ariel, apesar da ausência desta personagem. A timidez e os conflitos que a jovem vive em seu cotidiano são perfeitamente encaixados no mundo de dúvidas e desespero que formam a trama da história da imortal Julieta.

A história tem um começo confuso, demorei cerca de três ou quatro capítulos para compreender o que estava acontecendo. A partir de então, o enredo se torna emocionante, quando Julieta, já no corpo de Ariel, foge de Romeu com a ajuda de um jovem chamado Ben, por quem ela começa a sentir algo estranho, profundo e perturbador.

Durante o desenvolvimento da história, quase me esqueci que a impressão inicial do livro fora a de um livro extremamente confuso – às vezes, quando surgia um personagem aleatório que ainda não fora introduzido apropriadamente, eu me recordava, mas eram raros casos.

Procurando ajudar a menina que era a verdadeira dona daquele corpo, Julieta toma providências para reconciliá-la com a mãe e aproximá-la de sua única amiga enquanto procura as almas gêmeas que deveria proteger.

Simultaneamente, ela se sente perturbada pelo silêncio dos Embaixadores superiores, que deveriam ajudá-la, o aparecimento do espectro de seu antigo corpo, os sentimentos estranhos que tem por Ben e as constantes investidas de Romeu, que parecia diferente do habitual.

Entretanto, quase repentinamente, a autora cai no velho clichê do “amor que é mais importante do que todos os outros aspectos da vida de uma pessoa reunidos”. Um final muito pobre para uma história que, a princípio, prometia tanto.

Aparentemente, haverá uma sequência que se chamará Romeo Redeemed (Romeu Redimido), a esperança é que ela conclua a história fantástica de Julieta, ainda que seja evidente que será um livro sobre o Romeu.

Os Católicos e o Pecado

by Mango84

Inesperadamente, enquanto pesquisava sobre a Inquisição, eu me deparei com um texto de um teólogo atual do qual eu já ouvi católicos ferrenhos falarem muito bem, Leonardo Boff. O autor, após ser muito criticado pela Igreja católica, distanciou-se da instituição de sua fé sem abandoná-la completamente. Reflexões diante da postura da “Congregação para a Doutrina da Fé”, liderada pelo então cardeal Joseph Ratzinger, hoje Papa Bento XVI, levaram  Boff (1993) a escrever:

“O espírito que fez surgir a Inquisição perdura na Igreja romano-católica, pois persiste a predominância do corpo clerical sobre toda a comunidade e a visão piramidal da Igreja, centrada no poder sagrado (…).
Ela continua na mentalidade e nos métodos da atual Congregação para a Doutrina da Fé. As modificações históricas, ao nível estrutural, são praticamente nulas. Evidentemente, não se condena mais à morte física, mas claramente não se evita a morte psicológica. Pressiona os acusados até o limite da suportabilidade psicológica.” (p. 24-25)

Provavelmente, o autor se referia apenas às restrições que Igreja impunha diante de suas idéias consideradas distantes da doutrina pregada pela instituição. Esse mesmo texto o faria vivenciar a experiência de ter suas idéias podadas pela instituição de sua fé e, após essa decepção, provocaria seu afastamento (por vontade própria) da vida clerical. Mas é evidente que isso se aplica às outras proibições que ela vem querendo impor: o uso da camisinha e outros métodos contraceptivos, a legalização do aborto, o uso de células-tronco, a institucionalização da união homossexual, a criminalização da homofobia, entre muitos outros.

Indo um pouco além, frei Betto, dominicano e adepto da mesma Teologia da Libertação de Leonardo Boff, menciona que “ninguém escolhe ser homo ou heterossexual. A pessoa nasce assim. E, à luz do Evangelho, a Igreja não tem o direito de encarar ninguém como homo ou hétero, e sim como filho de Deus, chamado à comunhão com Ele e com o próximo, destinatário da graça divina”.

A Igreja católica, grande moldadora da consciência das pessoas, parece imutável nos seus mais de dez séculos de existência. Entretanto, é evidente que há uma mudança de pensamento radical no chamado baixo clero, aquele que possui o verdadeiro poder de persuasão. Os muitos preconceitos estão caindo por terra e, talvez, todos possamos ser quem somos sem medo em um futuro próximo.

Por fim, eu deixo uma frase a todos que se arriscam, por quaisquer motivos, a arder eternamente no inferno. E também àqueles que têm medo de arriscar, quem sabe. Também deixo um vídeo, uma propaganda linda contra o bullying homofóbico nas escolas, promovendo a idéia da amizade entre os jovens como uma maneira de combater esse mal.

A frase foi escrita pela maravilhosa Marion Zimmer Bradley, em seu famoso livro As Brumas de Avalon; o vídeo foi criado como parte da campanha BeLonG To, feita pela Stand Up! LGBT Awareness Week.

“Se o pecado é o preço de nossa união, (…) então pecarei alegremente e sem lamentar, pois isso me leva de volta a você.”

Fontes: 

BETTO. Os gays e a Bíblia. Disponível em: <http://www.planetaosasco.com/oeste/index.php?/2011052814398/Nosso-pais/frei-betto-a-igreja-nao-tem-o-direito-de-encarar-ninguem-como-homo-ou-hetero.html&gt;. Acesso em: 28 maio 2011.

BOFF, Leonardo. Inquisição: Um espírito que continua a existir. EYMERICH, Nicolau; PEÑA, Francisco. Manual dos Inquisitores. Brasília: Fundação Universidade de Brasília, 1993. p. 7-28.