[Fanmix] Bleeding Out

Imagem

ContracapaDownload

Após a Rowling revelar novas informações a respeito do Lupin no Pottermore, me senti na obrigação de prestar uma homenagem para o meu personagem favorito da série Harry Potter. “Obrigada pelos seus ensinamentos, Remus Lupin!”

 

01. Zombie – The Cranberries

Another head hangs lowly
Child is slowly taken
And the violence caused such silence
Who are we mistaken?
 

02. We are Young – fun.

The moon is on my side
I have no reason to run
So will someone come and carry me home tonight
The angels never arrived
But I can hear the choir
So will someone come and carry me home
Tonight
We are young
So let’s set the world on fire
We can burn brighter
Than the sun
 

03. No Way Out – Phil Collins

Tell me where, did I go wrong
Everyone I loved, they’re all gone
I’d do everything so differently
But I can’t turn back the time
There’s no shelter from the storm inside of me
 
 

04. Round and Round – Imagine Dragons

Round and round
I won’t run away this time
Till you show me what this life is for
Round and round
I’m not gonna let you change my mind
Till you show me what this life is for

 

05. Bleeding Out – Imagine Dragons

When the hour is nigh
And hopelessness is sinking in
And the wolves all cry
To fill the night with hollering
When your eyes are red
And emptiness is all you know
With the darkness fed
I will be your scarecrow
You tell me to hold on
Oh you tell me to hold on
But innocence is gone
And what was right is wrong
Cause I’m bleeding out

 

06. Last Song – All-American Rejects

As I go, remember all the simple things you know,
My mind is just a crutch and I still hope, that you will miss me when
I’m gone
This is the last song
 

 

História Original: Primeiros Rascunhos

Conheci Row há alguns anos, quando eu tinha apenas sete anos de idade.

Naquela época, eu estava aprendendo a ler e resolvi dedicar o meu tempo a aprender a falar como um adulto; eu os observava conversando entre si para aprender os tópicos abordados e lia dicionários para que meu vocabulário ficasse mais amplo. Ao final daquele ano, eu possuía um vocabulário muito maior que o da minha professora.

Portanto, eu estava absorta lendo um dicionário quando ouvi uma batida na janela do meu quarto. Olhei assustada, procurando identificar a sua origem, e me deparei com um minúsculo passarinho me encarando cheio de dor. Logo em seguida, ele caiu, sumindo do meu campo de visão.

Eu saí correndo, pensando no que aconteceria ao coitado se Pudim o encontrasse antes de mim. Felizmente, encontrei o pássaro, ainda consciente, deitado próximo à janela do meu quarto; meu cachorro dormia ao lado da porta que levava à cozinha, tão preguiçoso que sequer levantou os olhos quando passei por ele.

Não me lembrava de qual era o nome daquela espécie, mas eu sabia que era comum, pois já vira muitos pássaros como aquele. Ele era menor do que a maioria dos que havia visto, portanto, provavelmente era um filhote.

Segurei a criaturinha com cuidado e levei até a minha mãe. Ela provavelmente saberia lidar com a situação melhor do que eu, já que trabalhava com animais – mesmo que ela só realmente soubesse sobre os que já haviam morrido há muito tempo – e eu não tinha conhecimento algum a respeito.

Mamãe me olhou com um misto de espanto e caridade quando eu o levei até ela. Ela examinou a pequena ave em cima da bancada da cozinha, tentando não machuca-la. O pássaro não desgrudou os olhos de mim e parecia pedir ajuda.

Alguns longos minutos depois, mamãe disse que esse pássaro era um filhote de bem-te-vi e que uma de suas asas estava quebrada. Com a minha ajuda, ela improvisou uma tala para imobilizá-la e, depois, colocou-o dentro de uma caixa de sapato e disse que eu o alimentasse com maçãs.

– Como sabe que ele come maçãs? – Eu perguntei, mamãe não podia ser tão boa assim.

– Nós sempre deixamos pedaços de frutas por aí para os passarinhos comerem. Você sabe como seu pai gosta deles por aqui. Eu já vi passarinhos como esse comendo frutas.

Querendo mostrar que seria responsável e cuidaria bem do passarinho, peguei uma maçã na geladeira, pedi à mamãe que ela cortasse em pequenos pedaços – porque ela continuava a se recusar a deixar que eu chegasse perto de uma faca; como se eu fosse matá-la enquanto dorme ou algo assim! – e levei a caixa com o pássaro e os pedaços de maçã para o meu quarto.

Lembro-me muito bem das horas que se seguiram. Ele estava realmente deprimido – seus olhos pareciam tão tristes que chorei várias vezes por ele –, mas eu tentava animá-lo conversando enquanto dava os pequenos pedaços de maçã.

A princípio, ele apenas me encarava confuso e cheio de dor, também não tocava na comida que eu lhe dava. Comecei a me preocupar, meus olhos se enchiam de lágrimas só de pensar no que aconteceria caso o pássaro continuasse com essa atitude.

Passava de cinco horas da tarde quando, finalmente, percebi que ele começava a compreender o meu recado. Ele parecia um pouco menos triste, ainda que fosse evidente que continuava a sentir dor, e começou a se esforçar para comer os pedaços de maçã que eu lhe dava.

Naquele dia, eu só o deixei sozinho por meia hora enquanto jantava com a minha família e, à noite, nem percebi quando adormeci ao lado da caixa. Lembro-me até hoje que tive um sonho vívido em que eu era um pássaro.

Acordei de repente na manhã seguinte, sem compreender ao certo o que me acordara.

– Fome… – ouvi uma voz muito aguda dizendo, – estou com fome!

Levantei a cabeça e me voltei para a voz. Sonolenta, demorei alguns segundo para perceber que encarava o pássaro.

– Estou com fome. Você tem alguma coisa para comer com você? – Perguntou.

Eu precisei conter o grito. Engoli-o duas vezes antes que conseguisse gaguejar.

– Você fala…?

Ele me encarou orgulhoso.

– Claro que eu falo! Você não se lembra de como me ensinou? – Devo ter parecido muito confusa, pois ele acrescentou: – no começo, eu não entendia as palavras que você colocou na minha cabeça, mas depois comecei a prestar atenção para afastar a dor e aprendi a entender. Você não tem nada para comer mesmo? Estou faminto!

– Eu não te ensinei… como poderia?

– Não sei. Que tal um pouco mais daquela fruta? Você a chamou de maçã?

Decidi deixar aquele assunto de lado por enquanto. Eu estava com tanta fome quanto o pássaro dizia estar, pois comera pouco no dia anterior. Levantei-me, prometendo trazer algo para comer, quando me lembrei de uma pergunta que não fizera: a mais importante.

– Qual é o seu nome? O meu é…

– Astreia, eu sei. O meu nome é Row, do clã dos Pitangus sulphuratus[1]!

Eu assenti e saí. Nunca mais nos separamos, mas resolvemos que eu não revelaria a ninguém que Row podia falar e jamais admitimos nossa amizade para as outras pessoas; assim, ele poderia continuar livre e eu não precisaria ouvir perguntas que não saberia responder.

Depois de muito pesquisar sobre comportamento animal, rendi-me ao fato de que o que ocorrera naquele momento fora magia. Minha primeira, mas, certamente, não a última.


[1] Nome científico do Bem-Te-Vi.

[Esse trecho pertence a minha história original]

Resenha: O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa

narnia43

Publicado, pela primeira vez em 1950, este livro conta a história dos quatro irmãos Pevensie que, devido aos ataques aéreos à cidade de Londres durante a Segunda Guerra Mundial, vão viver no campo, em uma casa que pertence ao prof. Kirke, o Digory de O Sobrinho do Mago.

As crianças são: Pedro, de treze ou quatorze anos; Susana, de doze ou treze anos; Edmundo, de dez ou onze anos; e Lúcia, de oito ou nove anos.

Explorando a casa, Lúcia entra em um guarda-roupa e acaba por ser transportada a Nárnia, onde ela conhece um fauno chamado Sr. Tumnus. Nessa viagem, Lúcia descobre que há cem anos é inverno naquele mundo devido a um encanto feito pela Feiticeira Branca, que se proclama rainha de Nárnia.

Depois, ela retorna para casa e descobre que tempo algum se passara no seu mundo desde que entrara no guarda-roupa, ainda que em Nárnia tivessem se passado várias horas. Ela conta aos irmãos sua aventura, mas eles não acreditam.

Quando eles estão brincando de esconde-esconde dentro da casa, Lúcia entra novamente no guarda-roupa e Edmundo a segue, a fim de caçoar dela, mas eles se perdem um do outro e o menino acaba por se encontrar com a Feiticeira Branca, que lhe oferece doces e pede que trouxesse a ela seus irmãos, prometendo transformá-lo em príncipe de Nárnia.

Ele e Lúcia se encontram ainda em Nárnia, após Edmundo se despedir da Feiticeira, e ela fica empolgada com o fato de que, agora, o irmão poderia confirmar a sua história. Mas, ao retornarem par ao seu mundo, Edmundo nega que esteve em Nárnia.

Ainda depois, tentando sair do caminho da governanta da casa, que a mostrava para turistas interessados no aspecto histórico da construção, os quatro entram o guarda-roupa novamente e são enviados para Nárnia. Eles descobrem, então, que havia uma profecia que dizia que dois filhos de Adão e duas filhas de Eva seriam responsáveis pela queda da Feiticeira Branca e o fim do inverno em Nárnia, sendo, depois, coroados reis e rainhas de Nárnia.

Edmundo, entretanto, foge e vai ter com a Feiticeira Branca. Isso obriga os irmãos, antes relutantes em se envolver na guerra contra a Feiticeira, a ficarem para tentar resgatá-lo. Elas decidem se encontrar com Aslam, o verdadeiro senhor de Nárnia que acabara de retornar para a sua terra.

Esse livro faz, como O Sobrinho do Mago, referências bíblicas. O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa reconta de modo um tanto criativo a história da morte e ressurreição do Cristo. Ainda assim, é uma história extremamente cativante, que ressalta os valores da coragem, da nobreza de coração e da amizade.

Minha Resenha em Vídeo

Resenha: Extraordinário

burnbookextra

Hoje eu vou falar um pouquinho sobre o livro “Extraordinário”, da autora R. J. Palacio.

Trata-se da história de August (Auggie) Pullman, de onze anos de idade, cujo maior desejo é ser tratado como aquilo que ele realmente é: um menino comum. Entretanto, ele nascera com uma grande deformação em seu rosto, que, em seus primeiros anos de vida, haviam impedido até mesmo de comer.

Conhecemos Auggie quando, após onze anos de vida e vinte e sete cirurgias, os pais dele finalmente acreditam que está na hora do garoto frequentar a escola, ainda que ele próprio não tenha tanta certeza disso. Mesmo depois de todo o esforço médico, o rosto de Auggie continua lhe rendendo apelidos como Freddy Krueger e alien.

Mesmo assim, corajoso, ele resolve arriscar e é matriculado na quinta série do colégio Beecher Prep. Lá, Auggie faz dois grandes amigos, Jack e Summer, mas a grande maioria dos seus colegas se sente desconfortável em relação à presença dele na escola e há um garoto chamado Julian que começa a perturbá-lo enviando bilhetes para Auggie e Jack.

O livro é dividido em oito partes, cada uma narrada por uma personagem diferente. Via (irmã dele), Summer, Jack, Justin (namorado da Via), Miranda (amiga de infância da Via) e três partes são narradas pelo Auggie. Cada um desses personagens tem um modo diferente de escrever e é muito interessante partir de um ponto de vista para o outro, pois muito do que um personagem não percebe, os outros podem perceber. Eu gostei bastante da estrutura do livro.

Esse é, sem dúvida, um dos livros mais interessantes que eu já li. Eu tenho muita convicção de que ele continuará sendo lido pelas próximas gerações, pois trata de uma temática que, provavelmente, ainda será atual em cem ou mesmo duzentos anos: o preconceito.

Resenha: Renascença

Renascença

“Renascença” começa passando a ideia de um excelente livro, com um enredo sensacional.

É contada a história de um jovem chamado Ezio Auditore, que vive na Florença do final do século XV. Ele é um rapaz despreocupado e com um futuro certo em frente quando, repentinamente, graças a uma reviravolta política, seu pai e seus dois irmãos são injustamente julgados culpados de traição e mortos em praça pública.

A Ezio cabe, então, arquitetar uma vingança contra os que assassinaram sua família e cuidar da mãe e da irmã. Para tanto, ele busca o auxílio do seu tio Mario, que mora numa cidade vizinha, e se junta à antiga Ordem dos Assassinos, a qual seu pai fizera parte.

Esse é um enredo interessante, mesclado ao ambiente renascentista e a presença ilustre de alguns personagens históricos, como Leonardo da Vinci, dá ao livro uma agradável expectativa.

Entretanto, com pouco mais de cinqüenta páginas, percebi que o autor, Oliver Bowden, ainda que excelente criador de histórias, não é tão bom contador.

Faltam sutilezas na narrativa. Primeiramente, ela é muito corrida, o autor nos faz esperar por detalhes que nunca aparecem, como partes do treinamento de Ezio, um pouco sobre o que se sucede entre Ezio e Rosa, um pouco mais sobre os personagens secundários. Enfim, o leitor passa grande parte do livro se sentindo jogado em ocasiões que não são explicadas muito adequadamente, cercado de personagens que ele não conhece muito bem.

Além disso, o tempo também é deixado de lado na narrativa. Deparamo-nos, repentinamente, sem saber ao certo quanto tempo se passou entre um pedaço do livro e o seguinte – que muitas vezes sequer estão em capítulos separados.

Por fim, a evolução da personagem principal é fracamente descrita. Há um enfoque no quanto Ezio se transforma no começo e, depois, ao seu treinamento e evolução como Assassino, mas repentinamente ele congela e, no final, ele parece ser uma pessoa completamente mudada inesperadamente.

Enfim, um enredo fabuloso, mas com uma das piores narrativas que já li em toda a minha vida.

[Fanmix] Be Prepared

voldemort_beprepared

Contracapa

1.   Cruella DeVille – 101 Dálmatas ( Letra/Tradução / YouTube )

At first you think Cruells is a devil
But after time has worn away the shock
You come to realize you’ve seen her kind of eyes
Watching you from underneath a rock

(No começo, você pensa que a Cruella é um diabo/Mas depois que o tempo leva o choque/Você percebe que você viu os olhos dela/Olhando-o debaixo de uma pedra)

2.   My Lullaby – Rei Leão II ( Letra/Tradução / YouTube )

Now the past I’ve tried forgetting
And my foes I could forgive
Trouble is I knows it’s petty
But I hate to let them live

(Agora, o passado, eu tentei esquecer/E meus inimigos eu poderia perdoar/O problema é que eu sabe que é trivial/Mas eu odeio a deixá-los vive)

3.   Human Again – A Bela e a Fera ( Letra/Tradução / YouTube )

Like a real human does, I’ll be all that I was,
On the glorious morn, when we FINALLY re-born
And we’re all of us human again!!!
(Como um ser humano real, eu vou ser tudo que eu era/Na gloriosa manhã, quando eu finalmente renascer/E seremos todos humanos novamente)

4.   Be Prepared – O Rei Leão ( Letra/Tradução / YouTube )

So prepare for a chance of a lifetime
Be prepared for sensational news
A shining new era
Is tiptoeing nearer
And where do we feature?
Just listen to teacher
I know it sounds sordid
But you’ll be rewarded
When at last I am given my dues!
And injustice deliciously squared
Be prepared!
(Então, se prepare para uma chance de uma vida/Esteja preparado para uma notícia sensacional/Uma nova era brilhante/É na ponta dos pés mais próximos/E onde é que nos apresentamos?/Basta ouvir o professor/Eu sei que soa sórdido/Mas vocês vão ser recompensados/Quando finalmente me forem dados os meus direitos!/E a injustiça deliciosamente completa/Esteja preparado!)

5.   Transformation – Irmão Urso ( Letra/Tradução / YouTube )

Come with me, I’ll take you now
To a place that you fear
For no reason why
Your heart has turned away from me
And I will make you understand
(Venha comigo, vou levá-lo agora/Para um lugar que você teme/Por nenhuma razão/O seu coração se virou contra mim/E vou fazê-lo compreender)

Resenha: O Hobbit

Para além das montanhas nebulosas, frias,/Adentrando cavernas, calabouços cravados,/Devemos partir antes de o sol surgir,/Em busca do pálido ouro encantado. (p. 13)

Esses versos, cantados pelos anões logo nas primeiras páginas do livro, resumem muito bem o enredo de O Hobbit, do famoso escritor inglês J. R. R. Tolkien.

Encontramo-nos, aqui, pela primeira vez com o Sr. Bilbo Bolseiro, um hobbit de excelente reputação que possuía uma vida pacata e jamais pensara em sair em uma aventura, pois essa não era uma atitude respeitável.  O que é um hobbit?, vocês se perguntam. Os hobbits são

um povo pequeno(…). Os hobbits não têm barba. Não possuem nenhum ou quase nenhum poder mágico, com exceção do tipo corriqueiro de mágica que os ajuda a desaparecer silenciosa e rapidamente (…). Eles tem a tendência a serem gordos no abdome; vestem-se com cores vivas (principalmente verde e amarelo), não usam sapatos, porque seus pés já tem uma sola natural semelhante ao couro, e também pêlos espessos e castanhos parecidos com os cabelos da cabeça (que são encaracolados; tem dedos morenos, longos e ágeis, rostos amigáveis, e dão gargalhadas profundas e deliciosas (…).(p. 2)

A vida do Sr. Bolseiro muda radicalmente quando ele se encontra com o mago Gandalf na frente de sua toca, n’A Colina, e o chama para tomar um chá na tarde do dia seguinte. O mago não apenas comparece, mas trás consigo treze anões: Dwalin, Balin, Kili, Fili, Dori, Nori, Ori, Oin, Gloin, Bifur, Bofur, Bombur e Thorin.

Muita conversa, música e comilança se passam enquanto o respeitável hobbit observa estupefato. Então, finalmente, Thorin explica ao Sr. Bolseiro que seu avô, Thror, fora chamado de Rei sob a Montanha e possuía grande riqueza e estima entre anões e homens. Mas um dragão especialmente ganancioso chamado Smaug, atraído pela famosa fortuna, saqueou os salões de Thror e matou todos que se encontravam dentro.

Por sugestão de Gandalf, os anões estavam contratando o hobbit como ladrão para ajudá-los a derrotar Smaug e resgatar seu ouro, em troca da décima quarta parte do tesouro.

Apesar de ser um respeitável hobbit muitíssimo respeitável, Bilbo Bolseiro se vê atraído pela ideia da aventura e parte junto aos anões e ao mago.

Meu sentimento, ao ler esse livro, é o sentimento que eu tenho ao assistir uma das animações da Disney ou ao ler um clássico conto de fadas infantil. Ele é mágico, belo, sincero e musical! E essa semelhança não é acidental, pois o que Tolkien procurou criar, ao escrever O Hobbit, foi um conto escrito diretamente para o publico infantil.

Como tudo que o autor escreve, este livro possui um ambiente quase palpável. Ainda que o Tolkien não seja tão descritivo quanto em suas outras obras, ler O Hobbit envolve sentir a magia do mundo criado pelo autor fluir através das palavras.

É lindo e mágico.

Segue o trailer do primeiro filme do que será a  trilogia d’O Hobbit, que estreará no dia 14 de dezembro. Ele será dirigido pelo Peter Jackson, que já adaptou brilhantemente a trilogia O Senhor dos Anéis, do mesmo autor.

Entradas Mais Antigas Anteriores